Atualidades

Carro híbrido vale a pena? Veja o que dizem os especialistas

mulher abastecendo um carro híbrido
Foto: Fonte / Freepik

23 de Junho de 2022

O carro híbrido é frequentemente considerado o trampolim entre carros com motores convencionais de combustão interna e veículos elétricos puros (EV). Os híbridos essencialmente combinam os dois, mas será que o carro híbrido vale a pena?

Mas existem alguns tipos diferentes de híbridos, portanto, para ajudá-lo a entender as opções e os prós e contras de cada um, analisamos alguns dos motivos pelos quais você pode considerar um híbrido e explicamos como os diferentes tipos de híbridos funcionam.

Quais são as vantagens de um carro híbrido em relação a um carro normal a gasolina ou diesel?

Custos de funcionamento reduzidos e será que o carro híbrido vale a pena?

Os híbridos consomem menos combustível do que os carros a diesel, já que o motor elétrico aciona as rodas durante parte do tempo, principalmente parado ou em velocidades mais baixas, e auxilia no restante da viagem. 

Quando o motor é acionado, ele também não precisa trabalhar tanto, pois o carro já está em movimento, melhorando ainda mais a economia de combustível.

VEJA TAMBÉM:

Emissões mais baixas do tubo de escape:

No modo EV-only, não há emissões nocivas dos escapamentos, tornando os híbridos especialmente adequados em áreas densamente povoadas.

Operação mais silenciosa e suave:

Os motores elétricos são quase completamente silenciosos e, portanto, mais silenciosos do que um motor comum, além de mais suaves na operação, melhorando o conforto.

Desempenho mais forte:

A adição de um motor elétrico fornece uma quantidade extra útil de potência e torque, para maior aceleração e resposta do acelerador.

Por que o carro híbrido vale a pena?

Quais são as vantagens de um carro híbrido versus um carro totalmente elétrico?

Mais barato para comprar:

Usando o Hyundai Ioniq como exemplo, o Elite Hybrid custa menos da metade do preço em R $201.990,54 em comparação com seu equivalente apenas elétrico em R $282.016,62. Há também uma versão híbrida plug-in do Ioniq disponível, e o preço fica no meio de R $243.790,00.

Sem ansiedade de alcance:

Com os híbridos capazes de usar seus motores de combustão interna para manter as baterias recarregadas, os motoristas não precisam se preocupar com a origem da próxima carga.

Sem esperar que a bateria recarregue:

Os VEs precisam de tempo para recarregar totalmente, de cerca de 30 minutos em uma estação de carregamento de alta capacidade a 24 horas ou mais usando uma tomada doméstica, dependendo do tamanho da bateria.

Sem estacionamento para carregar:

Os híbridos não precisam ser estacionados e conectados para recarregar, em vez disso, o motor de bordo gera a maior parte da eletricidade necessária.

Como funcionam os carros híbridos?

Todos os carros híbridos usam uma combinação inteligente de um motor de combustão interna (geralmente a gasolina) e um ou mais motores elétricos para acionar as rodas. O tipo mais comum de híbrido é o veículo híbrido não plug-in como um Toyota Camry Hybrid.

O próximo mais comum é o híbrido plug-in (PHEV), que possui uma bateria maior que pode ser recarregada usando eletricidade de uma fonte externa, como uma tomada doméstica. Ambos têm um motor acoplado a um motor elétrico, bateria e gerador, para enviar acionamento separadamente ou simultaneamente às rodas.

O terceiro é um híbrido leve, que, como o nome sugere, utiliza apenas uma pequena quantidade de assistência elétrica. Embora os veículos híbridos leves tenham seu motor de combustão interna funcionando o tempo todo durante a condução, eles obtêm alguns benefícios de economia de combustível da assistência elétrica.

Existem também híbridos extensores de alcance, que são raros no Brasil. Explicamos isso no item 4, abaixo.

1. Veículo Elétrico Híbrido (HEV)

A primeira coisa a notar sobre os HEVs é que eles são auto-carregáveis, ao contrário dos híbridos plug-in (PHEVs) que você ‘conecta’ para carregar. Em um HEV série-paralelo, a bateria é relativamente pequena. Ele fornece carga suficiente para que o carro se mova a velocidades e distâncias de cerca de 40 km/h e 2 km, respectivamente, antes que o motor seja acionado para ajudar na condução direta das rodas.

A bateria do HEV é carregada pelo motor durante a condução, em marcha lenta ou em movimento, e/ou através da energia cinética obtida pela ação de frenagem. Isso é conhecido como frenagem regenerativa.

Nenhum carregamento externo da bateria é possível, então não se preocupe em procurar um plugue de parede ou estação de carregamento. Observe que a Toyota promove seus híbridos como ‘autocarregáveis’, o que é tecnicamente verdade, mas evita o fato de que um combustível fóssil ainda é necessário para que isso aconteça.

O PHEV, por sua vez, possui uma bateria muito maior, oferecendo até cerca de 50 km de autonomia EV pura, antes que o motor assuma o controle. No entanto, enquanto a bateria do PHEV também é carregada de acordo com o HEV, é necessário conectar à energia elétrica devido ao seu tamanho e capacidade extras. Esse é o preço que você paga por ter uma autonomia elétrica diária utilizável.

Alguns HEVs mais antigos, como o extinto Insight da Honda, o Civic Hybrid e o CR-Z, usavam uma configuração híbrida ‘somente paralela’, onde o motor elétrico auxiliava o motor a gasolina, mas nunca dirigia as rodas diretamente. O Honda Accord Hybrid 2020 emprega um arranjo ‘paralelo em série’ semelhante ao da Toyota.

Carro híbrido vale a pena: Honda-Accord-VTi-LX-Hybrid
Foto: Fonte / Honda / Honda-Accord-VTi-LX-Hybrid

Confira os benefícios do HEV e veja por que um carro híbrido vale a pena

Acessibilidade. Os HEVs são a entrada mais barata na eletrificação de veículos, com preços para o Toyota Corolla Hybrid a partir de R $160.663,70.

O desempenho disponível é forte porque os motores elétricos produzem seu torque máximo a partir de zero rotações, aumentando a aceleração e fornecendo respostas imediatas do acelerador. Isso, por sua vez, significa que um motor a gasolina mais leve e de menor capacidade é suficiente, melhorando ainda mais a eficiência.

Os HEVs produzem menos emissões de óxido de carbono e nitrogênio do que os carros a gasolina ou etanol, resultando em veículos dramaticamente mais econômicos e limpos – especialmente em áreas urbanas onde o tráfego intenso significa que o motor elétrico é mais provável que seja o principal sistema de propulsão das rodas.

Todos os HEVs possuem uma função start-stop que desliga o motor ao desacelerar em velocidades mais baixas e ao frear. 

Isso economiza ainda mais combustível, reduz as emissões e reduz a poluição sonora. Ficar sentado no trânsito pesado é (um pouco) mais suportável, sem o motor em marcha lenta zumbindo.

Reabasteça e esqueça. A própria natureza do HEV – um motor elétrico e uma combinação de motor – significa que a bateria nunca precisa ser conectada a uma fonte de energia externa para recarregar. 

O motor desvia a energia para um gerador para carregá-lo, ou a eletricidade é convertida a partir de energia cinética desperdiçada usando a tecnologia de frenagem regenerativa. 

Se você mora em um apartamento ou não tem acesso a estacionamento na rua, nunca precisa se preocupar em encontrar um cabo de alimentação suficientemente longo.

Resultado? Sem ansiedade de alcance ou perda de tempo e energia para encontrar um lugar para ligar o carro, o HEV é ótimo para dirigir na cidade e deslocamentos de curta distância.

As desvantagens dos HEVs: veja se um carro híbrido vale a pena para você

Despesa. Embora existam HEVs baratos, eles geralmente são mais caros do que seus equivalentes com motores a gasolina de tamanho equivalente e equipados devido ao custo adicional e à complexidade da eletrificação, desde a bateria e o motor elétrico até a transmissão exclusiva e o cabeamento elétrico.

Não é tão bom fora da cidade. Os HEVs estão no seu melhor em termos de desempenho e eficiência de condução na cidade, porque podem aproveitar o torque de baixa velocidade do motor elétrico no tráfego de parada e partida. 

Na estrada aberta em velocidade, eles geralmente perdem suas vantagens econômicas em relação aos carros somente a gasolina, pois os motores a gasolina se tornam mais econômicos em velocidades de cruzeiro, mas ainda precisam suportar o peso da bateria e do motor elétrico.

Carro híbrido vale a pena: Mazda MX-30
Foto: Fonte / Mazda / Mazda MX-30

Basicamente, dirigir apenas na estrada não aproveita adequadamente o potencial de um HEV, e o que resta é um carro com duas unidades de propulsão em vez de uma para carregar.

Menos espaço para bagagem. As baterias são pesadas e geralmente localizadas na metade traseira inferior de um veículo, ao custo de alguma capacidade de bagagem, e geralmente com um pneu sobressalente temporário em vez de um sobressalente de tamanho normal. Alguns têm apenas um kit de enchimento de pneus.

Mais para dar errado. Ter dois sistemas de propulsão em um carro adiciona custo e complexidade à manutenção e reparos, embora a maioria tenha se mostrado confiável e durável, pois os motores elétricos compreendem menos partes móveis e fluidos do que um motor a gasolina.

Degradação da célula da bateria. Embora as baterias geralmente sejam garantidas por oito anos, com o tempo sua capacidade de manter a carga diminui. Nos híbridos, isso significa que o motor a gasolina funcionará com um pouco mais de frequência do que quando o carro era novo. 

No entanto, mesmo com a bateria além do seu melhor, o sistema híbrido ainda terá benefícios em relação a um veículo somente a gasolina. A menos que haja uma falha grave com a bateria em seus primeiros três anos, geralmente se torna antieconômico substituir a bateria em um híbrido envelhecido.

Choque e pavor. Os HEVs representam um risco de segurança adicional para os trabalhadores dos serviços de emergência que devem ser especialmente treinados para lidar com os perigos do hardware de alta tensão ao atender uma cena de acidente.

HEVs: Os melhores do mercado

Crédito onde é devido. Você não pode falar de HEVs sem começar com a Toyota.

Desde 2001, a Toyota oferece o Prius regular e, a partir de 2012, sua linha híbrida foi reforçada com o carro citadino Prius C por R $129.567,50, que agora foi substituído pelo Yaris Hybrid. A Toyota também lançou o vagão de sete lugares Prius V em 2012.

A Toyota continuou a introduzir versões híbridas de muitos de seus modelos populares.

Estes incluem o Camry Hybrid (desde 2012), o Corolla Hybrid (a partir de 2018), C-HR e RAV4 Hybrids (a partir de 2019), Yaris e Yaris Cross Hybrids (2020) e o Kluger Hybrid (no segundo semestre de 2021).

Carro híbrido vale a pena: Toyota Yaris híbrido
Foto: Fonte / Toyota / Toyota Yaris híbrido

Essa estratégia seguiu a liderança da marca de luxo Lexus da Toyota em 2003 com o SUV médio premium RX, com a maioria dos modelos seguindo o exemplo desde então. Também é provável que o veículo mais vendido no mundo, o caminhão Toyota Hilux, eventualmente se torne HEV.

Deixando de lado a Toyota/Lexus, existem atualmente apenas cinco HEVs de cerca de R$ 259.135,00 – o Hyundai Ioniq Hybrid, o XV da Subaru e o Forester E-Boxer, o Kia Niro Hybrid e o Honda Accord Hybrid. 

2. Veículo elétrico híbrido plug-in (PHEV)

Como o nome sugere, um PHEV é um híbrido, mas com uma tomada como um EV, para que possa ser carregado de uma fonte externa, como de uma casa, escritório ou estação de carregamento. 

Na condução normal, alguma eletricidade é realimentada na bateria a partir do motor e dos sistemas de frenagem regenerativa dentro do carro, no entanto, a capacidade plug-in oferece a opção de carregar a bateria do PHEV (que geralmente é maior que a bateria de um híbrido comum) a partir de uma fonte de energia externa, permitindo maior alcance somente elétrico.

Alguns PHEVs podem usar seu motor a gasolina para carregar totalmente a bateria enquanto são conduzidos, no entanto, essa não é uma maneira muito eficiente de carregar a bateria.

Com uma bateria recarregável externamente, um PHEV está muito mais próximo da propriedade e experiência de condução de um EV.

Comparado ao seu irmão híbrido, a bateria do Hyundai Ioniq PHEV tem mais de cinco vezes a capacidade. Pense na bateria como um tanque de combustível para eletricidade, então quanto maior, mais longe você pode viajar. 

Nos híbridos plug-in, no modo EV o uso do motor elétrico é priorizado até que a bateria se esgote, após o que o carro funciona mais como um híbrido regular, com motor a gasolina e motor elétrico trabalhando juntos com mais frequência para propulsão e para manter um carga mínima na bateria.

É a solução para a ansiedade de alcance enquanto ainda desfruta de muitas das vantagens do EV. Você só precisará carregar um PHEV com mais frequência do que um carro totalmente elétrico para continuar funcionando com eletricidade.

Alguns PHEVs têm uma gama fenomenal combinada de gasolina / EV, como a distância teórica de 2700 km do Mercedes-Benz E300e de R $621.924,00 entre as recargas. Porém, para fazer isso, você precisará parar a cada 50 km ou mais para recarregar a bateria.

Tal como acontece com todos os EVs, um PHEV vem com seu próprio hardware de carregamento, ou seja, um cabo para uma tomada doméstica de três pinos. Além disso, uma caixa de parede pode ser comprada, instalada por um fornecedor externo por cerca de R $ 15.548,10.

Mercedes Benz GLC 300e
Foto: Fonte / Mercedes / Mercedes Benz GLC 300e

As vantagens de um híbrido plug-in:

Te protegeu. Tal como acontece com os VEs, os proprietários de PHEVs relatam que habitualmente conectam seus carros para carregar durante a noite como fariam com um telefone celular, exceto que não se preocupam em ficar presos se ocasionalmente esquecerem de recarregar seus carros.

Economiza dinheiro. Estudos no país mostraram que o uso de eletricidade doméstica para carregar um PHEV custa substancialmente menos do que o combustível que um HEV requer para recarregar suas baterias (muito menores) – embora os PHEVs geralmente custam muito mais para comprar em primeiro lugar.

Economize mais dinheiro. O baixo consumo de combustível e as classificações de emissões de um PHEV seriam úteis se o Brasil mudasse para um sistema de registro e tributação baseado em emissões de estilo europeu, recompensando ainda mais o motor EV e PHEV.

Escolha. Os PHEVs permitem que o motorista controle quando o motor elétrico opera, para preservar a carga para quando for mais benéfico rodar no modo EV, como em áreas construídas ou durante engarrafamentos.

Não apenas pela cidade. A infraestrutura de carregamento de VE está crescendo rapidamente em toda a Austrália, o que significa que os proprietários de PHEV estão cada vez mais capazes de usar seus veículos sem o cobertor de segurança do motor, se assim o desejarem.

Como está a serenidade. No modo EV, os PHEVs são tão silenciosos e suaves quanto os EVs, ao mesmo tempo em que carregam bastante potência de torque baixo.

Choque de preços. Os PHEVs são mais baratos que os EVs. Usando o Hyundai Ioniq como exemplo, o modelo plug-in custa R $37.833,71 a menos que seu equivalente elétrico.

Hyundai Ioniq Híbrido
Foto: Fonte / Hyundai / Hyundai Ioniq Híbrido

As desvantagens de um híbrido plug-in: Será que este modelo de carro híbrido vale a pena?

Ainda mais para dar errado. A complexidade adicional de uma bateria maior e mais pesada, combinada com engenharia elétrica extra para a tecnologia plug-in, significa mais serviços e reparos a longo prazo, além da combinação de motor e motor.

Escassez. Atualmente, existem poucos PHEVs para escolher.

Preço de compra. Os PHEVs custam substancialmente mais do que seus equivalentes a gasolina e HEV – cerca de R $41.461,60 é o prêmio adicional que você pagará para obter o Hyundai Ioniq PHEV sobre o Ioniq Hybrid regular.

Menos espaço para bagagem. Tal como acontece com a maioria dos HEVs, a eletrificação do trem de força dos PHEVs geralmente resulta em capacidade de carga reduzida, embora seja pior no PHEV porque a bateria é maior novamente, muitas vezes exigindo a remoção de uma roda sobressalente.

Custos da bateria. Embora uma garantia de até oito anos seja a norma, se você optar por substituir a bateria de um PHEV, será mais caro do que o equivalente menor de um HEV. Por exemplo, uma bateria Prius custa cerca de R $20.730,80 enquanto um PHEV pode custar mais de R $77.740,50 para alguns modelos, portanto, você precisará considerar se esse tipo de despesa faz sentido econômico em um veículo mais antigo.

Inconveniência de carregamento. O uso de uma tomada doméstica comum requer cerca de seis a oito horas, dependendo do PHEV, enquanto obviamente um HEV não requer aborrecimentos de conexão.

Carregue-o ou perca-o. Os proprietários que se esquecem ou não se preocupam em ligar os seus carros e conduzir os seus PHEVs exclusivamente a gasolina sofrerão um maior consumo de combustível em comparação com carros normais e especialmente HEVs.

Kia Niro PHEV
Foto: Fonte / Kia / Kia Niro PHEV

PHEVs: Os melhores

O Outlander PHEV da Mitsubishi (a partir de US $ 47.390) abriu o caminho para os PHEVs convencionais quando chegou em 2013. A combinação da praticidade do SUV com uma faixa de 50 km EV o ajudou a se tornar o PHEV mais vendido da história.

Entre os mais baratos estão o Hyundai Ioniq Plug-in (a partir de US$ 47.040), o Kia Niro PHEV (US$ 49.990) e o Ford Escape ST-Line PHEV (US$ 59.305).

Perguntas frequentes sobre carros híbridos

Qual é melhor – um HEV ou PHEV?

Híbrido com orçamento limitado, PHEV para aquela experiência totalmente elétrica, mas com um motor a gasolina de reserva para viagens prolongadas e sem ansiedade de autonomia.

O carro híbrido vale a pena?

Se usar consideravelmente menos combustível e criar menos emissões são importantes para você, então definitivamente. Os híbridos são geralmente mais acessíveis do que os carros elétricos completos e geralmente mais responsivos à direção do que seus equivalentes apenas a gasolina.

Carro híbrido vale a pena? Quais são algumas das desvantagens de um híbrido/híbrido plug-in?

Eles custam mais para comprar e podem custar mais para o serviço. Às vezes, eles pesam mais, então pode ser um pouco mais caro registrar aqui devido à massa de um carro que afeta os custos de frete , geralmente têm bagagem reduzida e / ou espaço para assentos e podem não ter um pneu sobressalente de tamanho normal.

Os híbridos plug-in carregam enquanto você dirige?

Sim, eles se auto-carregam, pois o motor a gasolina envia energia para carregar a bateria, enquanto a energia da frenagem é capturada e armazenada como eletricidade. 

Alguns PHEVs também podem carregar a bateria durante a condução. Você também pode optar por operar no modo híbrido a gasolina/elétrico e economizar a bateria carregada para mais tarde.

Qual híbrido plug-in tem o maior alcance?

A montadora de luxo BMW oferece o 330e PHEV com uma autonomia totalmente elétrica de mais de 60 km, enquanto a Mercedes-Benz afirma que seu E300e PHEV pode ir até 2.800 km combinando a autonomia da bateria e o tanque de gasolina de 60 litros. 

No entanto, para conseguir isso, você precisará ser muito diligente ao recarregar a bateria, o que pode não ser prático em viagens longas.

Você pode dirigir um híbrido plug-in sem carregar?

Sim, assim como você faria com um carro com motor normal, mas o peso extra dos bits elétricos significaria que usaria mais combustível do que um equivalente no PHEV.

O que acontece se você não carregar um híbrido plug-in?

Nada, ele ainda dirigirá normalmente, exceto que você não desfrutará de nenhum intervalo de direção totalmente elétrico.

Os carros híbridos podem funcionar apenas com combustível?

Sim. Os HEVs dependem do combustível para funcionar, pois sua autonomia totalmente elétrica é de apenas cerca de 2 km antes que o motor a gasolina entre em ação. 

O motor a gasolina começará a funcionar mais cedo se você estiver subindo uma colina ou acelerando com força. Os modelos plug-in podem percorrer cerca de 40 a 50 km na maioria dos casos antes que o motor comece a ajudar.

O que acontece quando um carro híbrido fica sem bateria?

Nada, é normal, pois o motor entra em ação para ajudar a dirigir as rodas e recarregar a bateria.

Agora faça sua análise e veja se um carro híbrido vale a pena para você.

Gostou do conteúdo, compartilhe com seus amigos para ajudar mais pessoas a tirarem suas dúvidas sobre automóveis.

Autor:

Você pode gostar

Os comentários estão fechados.